O surgimento da Song of Storms.

Image Hosted by ImageShack.us

Se você já jogou Zelda: OoT, deve ter notado que existem alguns problemas paradoxais em relação as viagens que o Link faz pelo tempo. Um desses problemas que ganhou fama foi em relação a música “Song of Storms”. Veja bem, para aprender essa música você tem que avançar no tempo para a fase de Link adulto. Indo para o moinho em Kakariko Village, o cara que fica tocando lá dentro diz que aprendeu essa música (Song of Storms) por um garotinho, e lhe ensina essa música. Aí, quando você volta no tempo sendo Link criança, você ENSINA a música para ele.

Entenderam aonde eu quero chegar? Se o Link aprendeu com o cara do moinho, e ele aprendeu com o Link, então de onde diabos surgiu essa música? Quem realmente ensinou a quem?

Essa é uma das questões não explicadas no jogo, e que deu origem a várias teorias a respeito. Abaixo vou listar aquelas que eu achei mais interessantes:

Teoria da Terceira Pessoa

Essa teoria diz que existiu uma terceira pessoa, que ensinou ao Cara do Fonógrafo (vou chamar agora ele de CF), que ensinou ao Link adulto, que por sua vez voltou no tempo e o ensinou ANTES dessa terceira pessoa. Só que o CF deixa bem claro que quem o ensinou possuia uma ocarina, dando a entender que foi o próprio Link mesmo. Essa teoria se apoia na hipótese de que o Link ensinou ao CF depois de voltar da aventura em Majora’s Mask (aonde ele aprende a Song of Storms em Ikana Graveyard, com um fantasma), mas acaba existindo um problema nessa teoria, pois Majora’s Mask acontece DEPOIS de Ocarina of Time, ou seja, ele já havia aprendido essa canção em OoT, então é impossível que Link tenha aprendido com o fantasma, voltado no tempo e ensinado ao CF, já que ele já teria feito isso antes. É tanto que quando você aprende essa canção no Majora’s Mask, aparece lá “You REMEMBERED the Song of Storms” (Você RELEMBROU a Song of Storms).

Mas pode ser que tenha existido um outro garoto com uma outra ocarina, que ensinou a música ao CF. Mas até hoje não existe nada que prove a existência de mais alguem com uma ocarina em OoT.

Teoria da Anomalia Temporal

Por causa das constantes viagens pelo tempo, Link acaba causando uma anomalia temporal, criando coisas que não deveria existir, como a Song of Storms. Ela surge do nada porque Link viaja no tempo, e, temporalmente, essa música passa a sempre ter existido.

A aceitação dessa teoria é praticamente nula, pois não se pode afirmar com certeza que viagens no tempo possam ou não causar anomalias temporais desse tipo.

Teoria da repetição

Fonógrafos sempre tocam a mesma música, já que ela fica gravada no aparelho. O fonógrafo do CF já tocava a Song of Storms. Só que o fonógrafo do cara não é mágico, por isso não faz chover. Ao contrário, a Fairy Ocarina e a Ocarina of Time são mágicas e por isso causam tempestades.

Quando Link repetiu as mesmas notas que saíam do fonógrafo acabou por invocar as chuvas e causando todo o transtorno.

Quando Link vai lá como criança, ele não ENSINA o cara, ele simplesmente reproduz o som do fonógrafo e causa a tempestade que o próprio fonógrafo sozinho não era capaz de produzir. E quando ele é adulto, aí que o cara conta como foi o acontecido para o Adulto e o Link realmente aprende a canção. Em suma, o CF já sabia a canção antes do Link criançar ir lá tocar, então já sabemos quem iniciou o circulo vicioso: O Cara do Fonógrafo.

Mas o CF mesmo fala com o Link adulto a seguinte frase: “Back then a mean kid came here and played a strange song“, o que dá a entender que o CF não conhecia a música, apesar dessa música estar gravada no fonógrafo, já que a música que toca no moinho é a que, teoricamente, o CF está tocando. Pode ter sido um erro feio da Nintendo, ou o sentido de “estranha” se deve ao poder mágico dessa música tocada na ocarina, ou a música que o CF toca não é a mesma que se ouve no moinho.

Além disso, essa teoria não explica como o CF diz para o Link adulto que conhecia um garotinho (Link criança) SEM que esse mesmo link criança tenha ido para o moinho, já que você não é necessariamente obrigado a ir para o moinho no passado antes de ir pela primeira vez para o futuro. Resumindo, continuamos sem saber de onde surgiu a tal música.

Pra falar a verdade, se você souber o caminho do deserto decorado não é preciso adquirir as Lentes da Verdade, que são adquiridas secando o poço. Se você não vai precisar secar o poço, então não tem necessidade nenhuma de tocar para o CF.
Mas isso daí já é trapaça. =P

Teoria da relatividade temporal

Link era adulto, e aprendeu a Song of Storms. Ótimo! Ele volta no tempo, na Linha do Tempo, mas não volta na sua própria linha do tempo! O que aconteceu no futuro é passado para ele! De modo que quando ele ensina essa música, ele já a tinha aprendido, porque no passado dele, no futuro de Hyrule, a mesma pessoa a quem ele ensinou o ensinou….

Recapitulando: a música foi criada pelo compositor do moinho. Link a aprende e volta no tempo, mas ele já a aprendeu no passado. Ele vai até a pessoa do moinho e ensina a música. Isso é o presente da pessoa do moinho, mas Link só pôde ensinar a Song of Storms porque ela o ensinou no passado dele. De modo que foi ela que a criou…

Essa teoria é boa se for levado em conta que o CF originalmente criou a música. Mas como foi visto na teoria passada, a frase “Back then a mean kid came here and played a strange song“, dita pelo CF, acaba dando a impressão de que ele não conhecia essa música.

De novo, não sabemos daonde surgiu essa maldita música…

———-

Por ai vocês já devem ter notado que a Nintendo não pensou nos paradoxos decorrentes de se viajar no tempo, e muito menos no surgimento da Song of Storms. A idéia foi boa, mas na prática acabou gerando muita confusão. Se você quer ver mais teorias ou tem mais alguma sugestão de teoria em relação a Song of Storms, pode discuti-lá no forum da Hyrule Legends.

As vozes de Mono.


No SotC, toda vez que um colosso é morto e você é levado pelas sombras até o templo principal, dá pra ouvir claramente uma voz feminina falando alguma coisa. Pois bem, já é praticamente certo que essa voz é a de Mono, a mulher pela qual Wander(personagem principal do jogo) vai até a Terra Proibida e luta contra todos os colossos com o objetivo de ressuciita-lá. A cada colosso derrotado, ela fala alguma coisa, as vezes apenas gemidos, mas depois de alguns colossos derrotados você já consegue ouvir ela falar com mais clareza, dando até a impressão de que ela fala coisas como “Now I’m Dead” ou “Wanda I love you”, o que não é certo já que a língua falado no jogo é uma mistura de japonês com latim, ou seja, é uma língua fictícia criada especialmente para o jogo.

Existe uma teoria que diz que, nas primeiras vezes em que você derrota os colossos, a voz que você escuta é na verdade a de Dormin, que ilude Wander para que ele continue a derrotar os colossos. É tanto é que em uma cena, depois de derrotar um colosso, Wander sonha com a Mono levantando do altar, o que pela teoria é uma ilusão de Dormin para que o herói não desista de derrotar todos os colossos. Mas, nos últimos colossos, Mono realmente fala com Wander, querendo alertar sobre o que vai acontecer caso ele prossiga matando todos os colossos. Mas isso é só uma teoria, pode ser que quem fale desde o início seja a Mono mesmo, pois a cada colosso derrotado a aparência dela vai melhorando, o que explicaria a maior clareza nas palavras quando se chega no 9º colosso em diante.

Se você estar curioso sobre essas vozes e não têm paciência de ir matando de um em um colosso para ouví-las, veja o vídeo abaixo:


A Bíblia e Shadow of the Colossus.

Muitos se perguntam: De onde vem a inspiração para a criação do mundo de SotC? Ueda pode não ter dado a resposta definitiva, mas com certeza sua pista nos faz perceber a quantidade de ligações entre a Bíblia e SotC. Primeiramente…a mais boba de todas: David e Golias. Entretanto, a maior de todas as dicas está no nome do inimigo, em SotC…Dormin, ou de trás para frente…Nimrod.

Nimrod, segundo a bíblia…foi o primeiro ser de poder que a terra teve. Nimrod vem de um verbo hebraico, e significa “rebelar”. E Nimrod fez jus ao seu nome…possuia uma soberania perseguida por muitos. A lenda diz que Nimrod foi um poderoso ser que habitou o planeta. Rebelado e sempre procurando vingança contra Deus, ele pouco-a-pouco conquistava humanos e cada vez mais territórios. Sua marca eram dois chifres…segundo a história, Nimrod matou um touro com as próprias mãos, arrancou-lhes os chifres e os fincou na própria cabeça, como seu símbolo de poder. Nimrod foi amplamente perseguido por aqueles que sofriam com sua real ditadura…possuia uma mulher, grávida. Um dia, Nimrod foi atacado por diversos homens, e foi morto. Seu corpo foi dividido em várias partes, e assim espalhados em seu amplo território. Sua mulher, meses depois, teve o filho de Nimrod…e a mesma passou a governar todas as terras que ele possuia.

Só por aí, já podemos ver diversas semelhanças…Dormin era uma entidade superior que fora morta, e em um ritual, teve sua parte física espalhada por seu lugar mítico, enquanto seu espírito ficou aprisionado na fortaleza de SotC. Em SotC e ICO temos a linhagem dos chifrudos, e em ICO…uma mulher, do mesmo mundo de Dormin, reina um castelo que possui bases semelhantes a de SotC, em uma ilha semelhante a de SotC.

Não só isso, como a fortaleza de SotC também é muito parecida com uma coisa relacionada a Nimrod…A Torre de Babel.

Nimrod a ergueu com o objetivo de atingir os céus…com uma torre tão alta, Deus nada poderia fazer promovendo catástrofes na terra…e assim, ela seria a porta de entrada para os céus, fazendo com que Nimrod finalmente tivesse a chance de se vingar de Deus. Furioso, Deus fez com que cada um dos trabalhadores falasse uma língua diferente, fazendo com que assim, não conseguissem se comunicar e a construção não chegasse ao seu fim.

Seria Babel a fortaleza de SotC? O contexto encaixa com a Bíblia…uma torre tão, mas tão alta…que *sem buggar o jogo não conseguimos chegar até seu topo…e um jardim secreto que lembra o paraíso.

Para os que ja jogaram…seria somente uma coencidência fora do normal, ou a semelhança em aparência entre as torres é proposital?

E para instigar mais ainda sobre o que podera ter ocorrido ao final de SotC, a bíblia conta que, após a morte de Nimrod, e o crescimento de seu filho “Ninus”, ele fechou a construção da torre e continuou com a urbanização do local, dando origem a cidade de Babilônia.

* É possível sim subir a torre até o jardim secreto sem utilizar o bug da versão americana, para isso é necessário finalizar o jogo umas três, quatro vezes, até aumentar a barra de stamina para um nível satisfatório.

Fonte: OuterSpace

——-

Na verdade eu não conhecia Nimrod antes de conhecer Dormin, que na verdade é Nimrod ao contrário. Dormin é um personagem do jogo Shadow of the Colossus (Sombra do Colosso) para Play Station 2, um jogo marcante que está fazendo história. No enredo Dormin é um personagem misterioso, só se pode ouvir sua voz que flui através da abertura no teto de um templo por onde a luz do sol passa. O herói desta estória é Wander (Errante) que chega até esse templo em seu cavalo Agro trazendo consigo uma mulher aparentemente morta. O jogo é bem sutil, sua história cheia de lacunas a princípio não se sabe o porquê de nada.

Enfim Dormin faz um pacto com Wander e diz que ressuscitará a garota se Wander matar cada um dos 16 Colossos que vagam por aquele mundo. Os Colossos, como o nome já diz, são seres gigantescos que a princípio não sabemos porque estão ali, só depois que os matamos percebemos que dentro deles existem almas negras (sombras – daí vem o nome do jogo) que se libertam quando estes caem ao chão, tomando Wander como hospedeiro.

O jogo é praticamente um grande mistério, os templos que são encontrados em seu mundo tem detalhes Incas, como as próprias estátuas dos 16 colossos, mas o majestoso Santuário de Adoração (Shrine of Worship) tem uma estrutura de construção típica dos Sumérios e Babilônicos.

No ambiente do jogo percebemos construções de templos e o terreno é bem característico, como se tivesse acontecido “à pouco tempo” uma grande catástrofe natural, como por exemplo um Dilúvio ou um terremoto. Mas onde entra Nimrod nisso tudo? Bom, como já foi dito, Dormin é Nimrod ao contrário e é aí que as coincidências acontecem.

O Santuário de Adoração (Shrine of Worship) é o ponto inicial do jogo, ele é bem alto e sua construção lembra muito a Torre de Babel. Em seu cume existe um jardim que foi apelidado pelos jogadores de “Jardim Secreto”, que simboliza o Jardim do Eden, pois lá existem frutas que são prejudiciais ao personagem principal. Lembrando também que a Torre de Babel foi construida sob o comando de Nimrod para alcançar os céus, uma aproximação com Deus isso segundo a bíblia, mas também se mostrava uma maneira de desafiar a Deus . Diz as tábuas antigas que Nimrod não construiu a torre para alcançar os céus e sim para se proteger de um novo dilúvio, caso Deus resolvesse fazê-lo novamente. Por isso a torre tinha repartições com jardins e plantações que serviam para manter a temperatura agradável e também para alimentação dos refugiados. Dizem as lendas também que todos os frutos colhidos no interior da torre estavam amaldiçoados e traziam inúmeras enfermidades.
Mais informações sobre a Torre de Babel (em inglês). Wikipedia

No jogo, Dormin perdeu seu poder, sua alma está aprisionada dentro de cada um dos 16 Colossos daquela terra proibida. E conforme Wander vai matando os Colossus, a alma de Dormin vai se fortalecendo.

Ao fim do jogo quando Wander consegue derrotar todos os 16 Colossos, um grupo de cavaleiros aparece, todos de máscara, seu líder se chama Emon e ele se apavora ao ver o que aconteceu, percebe-se que Emon tem pleno conhecimento do que significa o poder de Dormin e daquela terra proibida e seus Colossos, assim quando vê Wander completamente possuído pelas “sombras” de Dormin ordena que o matem, porém ele se transforma numa sombra gigantesca e aí que vem o detalhe mais impressionante, Dormin agora encarnado em Wander se mostra como um Colosso com dois enormes chifres na cabeça.
Sabe-se que muitas representações de Nimrod em desenhos antigos, o mostram com dois chifres na cabeça como mostra esta figura:

Sabe-se que Nimrod era um grande caçador e ganhou o respeito de seu povo pela sua coragem e por ter livrado seu território de muitas feras e bestas. Enquanto rei, se transformou num tirano e num habilidoso guerreiro. A representação dos chifres em sua cabeça é também uma característica de força física, ele também era sempre representado em desenhos muito mais alto do que as pessoas comuns.
Era um costume entre tribos mais antigas e menos civilizadas, esquartejar o rei depois que ele morria e assim enterrar cada pedaço de seu corpo em diferentes áreas de suas terras. Os povos acreditavam que assim seu rei sempre estaria presente. Não se sabe se isso aconteceu com Nimrod depois de morto, mas foi assim que Dormin foi aprisionado no enredo do jogo.

Sabe-se também que depois de morto, a esposa de Nimrod, Semiramis decretou que seu marido se tornaria o “deus sol”, no jogo existe uma coincidência a esse respeito. Dormin fala através de um buraco no teto do Santuário de Adoração, por onde a luz do sol passa e sua voz é uma mistura da voz de um homem com a voz de uma mulher um pouco menos acentuada. O personagem Wander se guia nesta terra para encontrar os Colossus através da luz do sol refratada em sua espada, ou seja, são muitas coincidências que provam que o criador do jogo se baseou em textos e lendas bíblicas, sumérias e acadianas para desenvolver o jogo.

Esta imagem mostra Nimrod em alto relevo, numa tábua suméria antiga, perceba o seu tamanho perto dos outros e a característica dos chifres em sua cabeça.

——–

Se você têm mais alguma idéia de teoria, escreva nos comentários, quanto mais teorias, melhor. 😀